Novo Alvodireto.com rede social de anuncios, seu conteúdo nos buscadores da internet. Cadastre-se e poste anuncios, fotos, artigos e qualquer conteúdo para aumentar sua presença online e apareça no Google, Bing e Yahoo

Categorias

Fonte: G1-Noticias

Senado é pressionado a convocar testemunhas para julgamento de impeachment de Trump
Colocado por: 2020-01-28 01:57:55
Registre-se aqui e deixe seu comentario nessa noticia.

Aumentou sensivelmente nesta segunda-feira (27) a pressão para que o Senado dos EUA convoque testemunhas para o julgamento do impeachment do presidente Donald Trump, especialmente o ex-conselheiro de segurança nacional John Bolton.

Cresceram também as chances de que senadores republicanos aprovem em votação a convocação de Bolton, depois que o jornal "New York Times" publicou uma matéria segundo a qual Bolton escreveu em seu novo livro, ainda não lançado, que Trump tinha a intenção de congelar ajuda militar à Ucrânia até que o governo do país ajudasse nas investigações contra Joe Biden e o filho dele, Hunter.

A afirmação de Bolton contraria diretamente a defesa do presidente, que diz que o congelamento da ajuda não teve qualquer conexão com o pedido de investigação de Biden, um dos principais pré-candidatos democratas à presidência e um possível adversário de Trump nas eleições deste ano.

Nesta segunda, segundo dia da apresentação da defesa do presidente no Senado, alguns senadores republicanos admitiram que gostariam de ouvir o que o ex-conselheiro tem a dizer, e que podem votar por sua convocação na quarta-feira.

Para que Bolton seja convocado, é necessário que quatro senadores republicanos votem a favor disso - além de todos os democratas, que já demonstraram ser unanimemente favoráveis a seu depoimento.

"É claro que tomarei uma decisão final sobre as testemunhas depois de termos ouvido não apenas a acusação, mas também a defesa. Mas, a esta altura, acho justo dizer que John Bolton tem um testemunho relevante a prestar àqueles que estão interessados em uma justiça imparcial”, afirmou Mitt Romney, candidato à presidência pelo Partido Republicano em 2012.

A senadora republicana Susan Collins chega para sessão no Senado, em Washington, na segunda-feira (27). Collins é a favor da convocação de testemunhas no julgamento do impeachment de Donald Trump — Foto: Mandel Ngan/AFPA senadora republicana Susan Collins chega para sessão no Senado, em Washington, na segunda-feira (27). Collins é a favor da convocação de testemunhas no julgamento do impeachment de Donald Trump — Foto: Mandel Ngan/AFP

A senadora republicana Susan Collins chega para sessão no Senado, em Washington, na segunda-feira (27). Collins é a favor da convocação de testemunhas no julgamento do impeachment de Donald Trump — Foto: Mandel Ngan/AFP

A também republicana Susan Collins emitiu um comunicado, no qual diz: "os relatos sobre o livro de John Bolton reforçam a questão das testemunhas e provocaram várias discussões entre meus colegas".

Trump negou as afirmações e escreveu no Twitter que "se John Bolton disse isso, foi só para vender livros".

De acordo com uma pesquisa do Washington Post-ABC News, 47% dos americanos acreditam que Donald Trump deve ser forçado a deixar a Casa Branca, e 49% acreditam no contrário. Quase dois terços dos questionados, no entanto, desejam ouvir outras testemunhas.

Na terça-feira os advogados do presidente encerram seu período de 24 horas para apresentar seus argumentos, que teve início no sábado. Antes deles, os deputados democratas que atuam como promotores também tiveram 24 horas, divididas em três sessões, para apresentar a acusação.

Na quarta-feira, os senadores poderão fazer uma votação sobre a convocação ou não de testemunhas, e deve começar também a fase em que farão perguntas por escrito. Eles terão 16 horas para esses questionamentos.

Testemunhas e argumentos finais

Se testemunhas forem permitidas, elas poderão ser questionadas pelas duas partes. Depois de escutar esses depoimentos e avaliar mais provas, haverá uma argumentação final por parte dos promotores e da defesa.

Depois disso, o Senado vai optar por um debate sobre os artigos de impeachment, que pode ser a portas fechadas ou não.

Há 21 anos, quando Bill Clinton, então presidente dos EUA, enfrentou um processo de impeachment, cada senador falou por 15 minutos.

Por fim, haverá a votação. Para que Trump seja destituído, é preciso que uma maioria de dois terços vote para isso.

Em um Senado controlado pelos republicanos (53 assentos de um total 100), a absolvição do 45º presidente dos Estados Unidos é quase certa.

Acusações do processo de impeachment

As acusações contra Trump aprovadas pela Câmara são as seguintes:

  • Abuso de poder ao pedir investigação ao presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, contra a família de Joe Biden. Deputados consideraram a ação uma "interferência de um governo estrangeiro" em favor da reeleição de Trump em 2020;
  • Obstrução ao Congresso por impedir diversas pessoas ligadas à sua administração de prestar depoimento (inclusive algumas que tinham sido intimadas) e por se recusar a entregar documentos aos investigadores durante o inquérito.
Julgamento de Trump no Senado — Foto: Aparecido Gonçalves/G1Julgamento de Trump no Senado — Foto: Aparecido Gonçalves/G1

Julgamento de Trump no Senado — Foto: Aparecido Gonçalves/G1


Compartilhe essa noticia.


  • 0 comentário(s)
Registre-se aqui e deixe seu comentario nessa noticia.

Seja o primeiro a gostar